Bretão

bretao


A origem da raça Bretão teve início em 1830 na França, mais precisamente na região da Bretanha ( Noroeste da França ) sendo que o livro genealógico iniciou-se em 1909 e hoje é controlado pelo Syndicat des Eleveurs du Cheval Breton , que a partir de 1950 começou a marcar à fogo os animais inscritos no livro com a figura estilizada de um armiño (arma branca, semelhante a uma espada) na tábua esquerda do pescoço.

O cavalo foi trazido para o Brasil face iniciativa do Exército, que precisava do animal para puxar os equipamentos de artilharia.
As primeiras importações ocorreram provavelmente em 1927 pelo Estado de São Paulo, através da vinda do garanhão Breslau, destinado ao antigo Haras Paulista de Pindamonhangaba.
Entre 1932 e 1956, o Exército Brasileiro importou perto de cem reprodutores para as Coudelarias de Tindiqüera-PR, de Rincão-RS, Pouso Alegre-MG e Campo Grande-MS, sendo que os serviços e manejo ficaram concentrados na Coudelaria de Tindiqüera por ter melhor clima para adaptação dos importados .

Através dos programas de expansão da raça, muitos governos estaduais e criadores particulares receberam, através de empréstimo, garanhões do Exército para cruzar com as éguas Bretãs e éguas comuns (as éguas puras eram adquiridas em leilões realizados pelo Exército).
Com a desativação da maioria das coudelarias do Exército na década de 70, devido a chegada da mecanização agrícola, o já reduzido rebanho centralizado em Tindiqüera-PR foi vendido em leilão e algumas dezenas de criadores paranaenses cuidaram de sua preservação.

O Haras Paulista de Pindamonhangaba foi transferido para a Coudelaria Paulista, hoje Estação Experimental de Zootecnia do Instituto de Zootecnia de SP, no município de Colina, onde o governo estadual concentrou um rigoroso trabalho de seleção da raça no Estado.
Novos produtos foram adquiridos ou emprestados para cruzamentos que ajudaram a aumentar o plantel paulista, que ganhou mais três fêmeas e um garanhão importados da França em 1976 e outros seis animais em 1983.

Os produtos foram sendo comercializados em leilões anuais e comprados por criadores de todos Estados, mas principalmente de São Paulo e Minas Gerais. Hoje o Posto de Colina conta com o maior plantel PURO da raça Bretão no país.
Em 1982 foi fundada a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DO CAVALO BRETÃO, em Curitiba-PR, por um grupo de criadores , mas somente em 1989 abriu seus livros de Registro Genealógico .

A Associação Brasileira da raça passou por várias dificuldades em Curitiba, mas conseguiu superá-las com o apoio dos criadores de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.
Em 1986 as Secretarias de Agricultura de Goiás e do Rio Grande do Sul importaram da França cerca de 30 animais, os quais foram vendidos a criadores particulares de São Paulo e Minas Gerais. Depois começaram as importações particulares, primeiramente pelo Sr. Lineu de Paula Machado , em 1990, que trouxe para Botucatú- SP 11 animais (10 fêmeas e 1 garanhão).
Em 12/06/95 em Assembléia Geral Ordinária para eleição de nova Diretoria, foi aprovada por unanimidade, a transferência da sede de Curitiba-PR para Jaguariúna , Estado de São Paulo, pois a ABCCB necessitava se aproximar da grande concentração das Associações Brasileiras de raça e ser reconhecida e divulgada no meio eqüestre.

Após as mudanças, começaram as melhoras e a repercussão foi grande, muitos interessados na raça e novamente voltaram as importações através do Sr. Anis Razuk, em setembro de 1997, que trouxe para sua propriedade em Itú-SP: 2 garanhões e 2 éguas prenhas.
Através de doações dos membros das Diretorias 95/97 e 97/99 a Associação conta hoje com um centro de processamento de dados que além de servir ao Serviço de Registro Genealógico (SERG), auxilia a administração e o departamento de cobrança tornando os serviços mais rápidos e melhor atendendo os criadores do Bretão. Em Novembro de 1997 a ABCCB firmou um convênio com o Ministério da Agricultura, onde através de suas verbas conseguimos: um novo software para o SERG e para a ABCCB , a confecção de impressos de divulgação, uma reunião com o Syndicat des Eleveurs du Cheval Breton para intercâmbio e, a realização de cursos para credenciamento de novos inspetores em outros Estados.
Texto da: Assoc. Bras. de criadores do cavalo bretão.

Bretão
Bretão

Bretão